R$ 2 bilhões por semana

Quarentena de SP pode custar R$ 2 bilhões por semana

R$ 2 bilhões por semana — Dizer que São Paulo parou é uma das analogias preferidas para descrever dias de trânsito intenso, chuvas torrenciais ou até jogos do Brasil em Copas do Mundo.

Mas nunca se viu nada parecido com o que a maior cidade do país está enfrentando na quarentena para conter o surto de coronavírus. Shopping centers —“a praia de paulista”— foram fechados, assim como lojas de ruas conhecidas nacionalmente, como as da 25 de Março, outros tipos de comércio e fábricas.

O custo de parar literalmente São Paulo pode chegar a R$ 2 bilhões por semana, segundo projeção de Rodolfo Olivo, professor de economia da FIA (Fundação Instituto de Administração).

Olivo afirma que o custo pode chegar a R$ 287 milhões ao dia, o que leva a R$ 2 bilhões por semana e representa uma queda de 18% do PIB da capital paulista. “Se estivéssemos falando do Nordeste, seria mais de 40%”, afirma.

“Setores como imobiliário, cultural, esportivo e de educação serão os mais afetados e podem ter queda de mais de 90%. Os menos impactados serão transportes e correios, com 0%. Alimentação e comunicação devem cair 15% e 10%, respectivamente”, diz.

Segundo dados do IBGE, o PIB paulistano líquido é de R$ 576 bilhões. Serviços correspondem à maior fatia, com R$ 474 bilhões, seguido por indústria (R$ 59 bilhões), administração pública (R$ 42 bilhões) e agropecuária, com R$ 37 milhões.

Olivo projeta que o setor serviços tenha uma queda de 18,8% na quarentena. A indústria deve recuar 9%, e administração pública, 25%. O agronegócio deve se manter estável.

“No serviço público, fui até conservador. Engloba saúde, educação, tudo. Se fechou a escola, vai perder a geração do serviço, e isso vai ter que ser reposto”, diz ele.

A FecomercioSP estima uma perda diária de cerca de R$ 300 milhões de faturamento bruto no comércio não essencial, setor que agrega autopeças, concessionárias, eletrodomésticos, construção, móveis
e decoração e vestuário.

A conta não inclui mercados e farmácias, que permanecerão abertos durante o isolamento da pandemia.

A entidade destaca que não se pode tratar como prejuízo, já que alguns estabelecimentos fecharão as portas, mas continuarão funcionando. A expectativa é feita com base no comércio diário de março a maio do ano passado.

“São R$ 300 milhões por dia com o varejo completamente fechado. Mas o prejuízo é cumulativo e depende do período que durar o isolamento. Se a loja ficar duas semanas fechadas, o varejo se recupera. Se prolongar para três meses, há risco de demissão, de perda total de caixa, e aí o comerciante não voltar mais”, diz Guilherme Dieze, economista da federação.

A expectativa da entidade é que 115 mil lojas do comércio varejista sejam afetadas em São Paulo, impactando a vida de 350 mil funcionários.

Um dos setores mais sensíveis à crise gerada pela pandemia é o de bens duráveis, que depende de crédito e de confiança para consumo. Para o lojista, é muito alto o custo de manter geladeiras
e fogões nos estoques.

Já a estimativa de George Sales, professor de finanças do Ibmec, é um pouco mais conservadora. Ele estima que, com a pandemia, o PIB nacional pode ter uma queda de 4,5%, o que teria um impacto de R$ 88 milhões por dia na capital paulista.

“O cálculo foi feito pensando no ano inteiro de perdas proporcionais. Se fosse só nos dias da crise, seria maior”, afirmou.

instagram

Politica Paraibana

Twitter

Compartilhe

Deixe um comentário